Da mente para a pele: doenças cutâneas de fundo emocional

Da mente para a pele: doenças cutâneas de fundo emocional

Talvez você não saiba, mas as doenças cutâneas podem ter fundo emocional. A pele (maior órgão do corpo humano) e a mente estão mais interligados do que podemos imaginar.

É dessa conexão que surgem as melhores metáforas para ilustrar os níveis de emoção. Certamente você já ouviu alguém dizer que está com “os nervos à flor da pele”, que ficou “vermelho de vergonha” ou ainda “pálido de susto”.

A verdade é que os sentimentos, quaisquer que sejam, impactam diretamente na saúde cutânea. Dito isso, que tal combater o estresse com boas notícias? Em tempos difíceis, cuidar do estado mental é ainda mais importante – e seus benefícios se refletem no corpo todo.

Principais doenças cutâneas causadas pelo emocional

Já que existe uma forte relação entre o cérebro e a pele, um estado emocional cometido por problemas de ansiedade, depressão ou baixa autoestima pode gerar determinadas doenças cutâneas – ou agravar as existentes.

De acordo com a dermatologista do Hospital Federal de Ipanema (HFI), Márcia Senra, aproximadamente 30% dos distúrbios que aparecem na pele têm origem emocional.

Nesse contexto, dentre as principais doenças cutâneas causadas pelo desequilíbrio na saúde mental, podemos destacar:

  • Alopecia areata: causa queda de cabelo em formatos arredondados ou ovais;
  • Hiperidrose: causa sudorese excessiva e constante;
  • Vitiligo: leva ao aparecimento de manchas brancas na pele, especialmente nas regiões dos cotovelos, joelhos, face, mãos e pés;
  • Urticária: gera vergões vermelhos e inchados na pele;
  • Prurido: coceira.

Além das doenças cutâneas causadas pelo estado emocional, esse fator também pode influenciar de modo a agravar alguns distúrbios já existentes, como:

  • Acne: caracterizada por erupções na pele, as espinhas;
  • Dermatite seborreica: a caspa;
  • Dermatite atópica: inflamação crônica da pele que leva à coceira e descamação;
  • Psoríase: gera uma inflamação na pele que provoca coceira e descamação.

Saúde mental = saúde da pele

Cuidados com a alimentação, hidratação com a ingestão de muita água, a prática de exercícios físicos e uma boa rotina de sono são fatores que promovem o bem-estar do corpo e da mente. Então, ainda que esteja mantendo a rotina em casa, preocupe-se em inserir bons hábitos no seu dia a dia.

Outro modo de promover saúde mental – e evitar doenças cutâneas de fundo emocional – é organizar a rotina a partir de atividades e objetivos, colocando as prioridades em perspectiva. Lembre-se: momentos de lazer devem ser considerados prioritários em tempos de quarentena.

É importante que sua mente tenha um tempo de paz para que seu estado emocional permaneça bem – e isso se reflita em sua pele.

Filtrando as informações e pensando positivamente

Durante a crise do coronavírus é importante filtrar as notícias para não se submeter a um tsunami de fatos que fogem ao seu controle. Ficar o tempo todo conectado às informações ruins e tristes pode prejudicar seu estado emocional e, por fim, abrir portas para doenças cutâneas.

Portanto, preocupe-se em filtrar essas informações e se esforce para pensar positivamente, acreditando que as coisas vão melhorar.

Em resumo, é importante cuidar da sua saúde mental para manter a pele bonita e saudável.

Ainda assim, durante esse período, instabilidades são comuns. Caso a pele reaja negativamente a elas, consulte um dermatologista. Se precisar de mim, estou à disposição. Você pode entrar em contato para agendar uma consulta e, juntos, avaliarmos seu caso.