Marque sua consulta

    De repente 30… e ainda com acne! 

    acne adulta

    Dentre as doenças de pele, a acne é uma das mais comuns, principalmente entre as mulheres.  Essa condição tem grande ocorrência na adolescência, período em que o corpo passa por uma série de variações hormonais e as glândulas sebáceas produzem maior quantidade de sebo, obstruindo os poros e causando uma reação inflamatória no rosto, pescoço, colo e costas.

    Quem sonha ficar livre dos cravos, espinhas e comedões sabe que é preciso investir em tratamentos e esperar essa fase passar. Com o tempo, o organismo passa a equilibrar a produção de gordura e a pele fica mais lisa e uniforme, certo? Não é bem assim! Há pessoas que chegam aos 30 anos e ainda travam uma batalha seríssima contra a acne.

    Acne não é coisa de adolescente

    Embora a acne seja uma doença inflamatória mais frequente na adolescência, ela pode surgir na vida adulta, geralmente após os 25 ou 30 anos. As lesões ocorrem em áreas em que existe maior número de receptores hormonais, como na mandíbula, queixo, pescoço, região do decote e na parte superior das costas.

    De maneira geral, a acne em adulto se caracteriza pelo surgimento de espinhas internas e cravos, sendo mais frequente em pessoas que tiveram problemas sérios com acne na adolescência.

    Porém, existem outros fatores que podem desencadear a acne na fase adulta, como:

    • Sensibilidade aos hormônios masculinos;
    • Questões emocionais, como o estresse, que aumenta a produção de sebo, deixando a pele mais oleosa;
    • Síndrome do Ovário Policístico;
    • Período menstrual;
    • Gravidez;
    • Aplicação de produtos oleosos, como maquiagens, hidratantes e protetor solar;
    • Alimentação baseada em frituras, açúcares e carnes gordurosas;
    • Limpeza inadequada da pele;
    • Tabagismo;
    • Doenças endócrinas;
    • Histórico familiar.

    Por haver muitos fatores ligados a questões hormonais, a mulher acaba sendo mais afetada pela acne na fase adulta. Embora raro, os homens também podem desenvolver essa condição, cujo quadro costuma ser mais grave e ocorrer no pescoço e costas.

    Tratamento para acne depois dos 30

    O tratamento da acne adulta pode ocorrer de diversas formas, já que a escolha do protocolo depende da gravidade do problema e da sua causa. Por isso, a avaliação do dermatologista é necessária para que a terapia seja prescrita corretamente.

    De maneira geral, os médicos prescrevem produtos tópicos (cremes, pomadas e géis) que são aplicados na área acneica, além de terapia oral, como antibióticos e anti-inflamatórios. Em alguns casos, é possível fazer o ajuste dos índices hormonais com o uso de anticoncepcional.

    Também podem ser recomendados o peeling químico, um tratamento à base de ácidos que auxilia na retirada de camadas danificadas por meio da descamação, promovendo camada mais lisa, elástica, suave e fresca a partir da renovação celular.

    A luz de led azul também é indicada pelos médicos no caso de acnes em adultos, já que acelera o processo de cicatrização.

    Se você já passou dos 30 e sua pele continua apresentando inflamações em decorrência da acne, é importante seguir alguns cuidados como:

    • Lavar a pele com sabonete específico pelo menos duas vezes ao dia ou conforme orientação médica;
    • Tomar muita água;
    • Evitar a automedicação;
    • Evitar cosméticos oleosos;
    • Ter uma dieta balanceada;
    • Não manipular os cravos e espinhas (evitar estourar);
    • Fazer acompanhamento médico.

    Para uma pele mais bonita e saudável, entre em contato com a Clínica Lucas Miranda e vamos conversar a respeito, tirar dúvidas e escolher o melhor procedimento para o seu caso.

    ©2021 Lucas Miranda. Todos os direitos reservados.
    Desenvolvido por Acesso Marketing e 909 Web Studio.

    Nós utilizamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar sua experiência em nossos serviços, personalizar nossa publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao continuar a navegação em nosso site, você concorda com nossa Política de Privacidade.