Quais as diferenças entre MD Codes e Preenchimento?

Quais as diferenças entre MD Codes e Preenchimento?

Frequentemente recebo no consultório pacientes em dúvida sobre as diferenças entre MD Codes e preenchimento comum. Há uma grande confusão sobre esse assunto, principalmente pelas informações soltas na internet, que podem ser insuficientes para que a pessoa chegue à conclusão de qual tipo de procedimento estético quer realizar.

O MD Codes é uma técnica criada por um cirurgião plástico brasileiro com atuação em São Paulo. Nessa metodologia, ele mapeou pontos da face onde seria estratégica a aplicação de ácido hialurônico para que fosse possível reestruturá-la e sustentá-la de maneira mais natural.

Na prática, através de equipamentos que geram imagens 3D, e, claro, da avaliação de um médico experiente, conseguimos fazer a análise facial e definir seus pontos de vulnerabilidade. Ou seja, quais os pontos onde existe a necessidade de se utilizar a injeção do ácido hialurônico.

O pesquisador que desenvolveu essa técnica notou, através de estudos anatômicos, que a injeção de ácido hialurônico, em pontos específicos, consegue reestruturar a face e gerar um efeito lifting, fazendo um contraponto ao preenchimento simples.

O principal diferencial do MD Codes

Para explicar qual é o principal diferencial do MD Codes, vamos pegar como exemplo o famoso “bigode chinês”, que é o vinco do lado superior dos lábios.

Por muitos anos, foi prática dermatológica comum preencher o bigode chinês para dar volume à região. Com a técnica do MD Codes, notamos que, se a gente fizer o preenchimento e reestruturação sustentando a face na região malar (que fica nas “maçãs do rosto”), o paciente conseguiria o efeito lifting da região que gostaria de tratar – mas não, necessariamente, tendo que abordar a região do bigode chinês.

Com isso, a gente consegue um efeito mais natural, sendo esse o principal diferencial do MD Codes. Afinal, estaremos fazendo a reposição da gordura onde houve a absorção, sem acrescentar volume onde não há necessidade de fazer isso. Dessa forma, gera-se um resultado que vai mais ao encontro dos desejos estéticos dos pacientes.

Dei esse exemplo porque ele é clássico: as pessoas gostam de preencher o bigode chinês, que é um dos primeiros sinais do envelhecimento. Contudo, o MD Codes pode ser realizado em diversas regiões do rosto, conforme necessidade individual.

Por exemplo: existe o MD Codes do queixo, onde pode-se repor o volume do mento (que é essa região específica) em pessoas que o perderam, ou criá-lo, para pessoas que não têm o volume que gostariam de ter.

Para quem quer uma projeção maior da região do queixo ou da mandíbula, o MD Codes é uma técnica adequada.

Existe também o MD Codes de olheiras, além do procedimento para as têmporas. De forma geral a técnica é, justamente, essa metodologia de aplicação de ácido hialurônico para que a gente consiga reestruturar e sustentar a face.

Em resumo, através desses estudos, notou-se que havia uma reabsorção de gordura, músculo e reabsorção óssea durante o envelhecimento, o que levou o MD Codes a seu grande trunfo. A medicina percebeu que a reposição de ácido hialurônico nessas regiões tornavam a face mais harmônica, fazendo o efeito lifting sem aquele “aspecto preenchido”.

Então, esta é a grande diferença entre o MD Codes, que fornece um resultado mais natural, e o preenchimento, em que a gente repõe o volume apenas onde há perda.

Sei que o tema é complexo e pode gerar ainda mais dúvidas!

Se esse é o seu caso, deixe sua pergunta nos comentários. Irei responder a todas, individualmente. E, se precisar, vamos gravar novos vídeos dando exemplos de outras regiões onde o MD Codes pode agir com bastante benefício.